Qual a Diferença Entre Inseminação Artificial e Fertilização In Vitro?

Duas técnicas famosas de fertilização, porém muito diferentes. Compreenda o que acontece em cada uma.

Artigo publicado por Juliane Freitas nas categorias: Dicas

O Milagre da Gravidez

A fertilização in-vitro e a inseminação artificial são formas diferentes de tratar casos de infertilidade, contudo ambas são bastante confundidas. A primeira consiste em fertilização e desenvolvimento inicial do embrião fora do útero para depois ser implantado e a segunda se resume a uma injeção do sêmen na cavidade uterina da mulher, quando esta apresenta algum problema que destrua os espermatozoides ou quando eles são muito lentos para chegarem sozinhos até óvulo, também é utilizada em casos de poucos gametas no sêmen.

FIV

Inseminação Artificial

A inseminação artificial intra-uterina é feita após um tratamento de estimulação da ovulação, através de tratamento hormonal. Após verificar que a ovulação deu certo, o sêmen é coletado e colocado artificialmente dentro da cavidade uterina, no momento exato da ovulação. Dessa forma, a fecundação ocorre espontaneamente, dentro do organismo da mãe. O método é um dos mais baratos entre os tratamentos de fertilidade e o índice de sucesso é de cerca de 15% dos casos.

A escolha do tratamento não depende apenas da opinião do casal, afinal, somente um médico pode avaliar se é possível resolver o problema deles com uma simples inseminação artificial. Esse método é mais utilizado quando o problema de fertilidade envolve a locomoção dos espermatozoides, como a ação de anticorpos maternos sobre as células que chegarem ao colo do útero, baixa motilidade dos gametas masculinos  ou ainda baixa contagem, pois a técnica possibilita que o médico tenha certeza que o gameta chegou até a cavidade uterina.

Fertilização In-Vitro

O método de maior sucesso e conhecimento entre os tratamentos de fertilidade é conhecido também como “bebê de proveta”. O tratamento auxilia casais que tenham problemas que dificultem a fecundação do óvulo pelo espermatozoide. Pode ser usada, por exemplo, por mulheres que fizeram ligamento das trompas, impossibilitando o óvulo de chegar no útero e homens que realizaram vasectomia, desde que a coleta do material genético seja feita cirurgicamente, diretamente nos testículos.

Para garantir o sucesso do procedimento, a mulher também passa por um tratamento hormonal, para que haja múltipla liberação de óvulos, permitindo que o laboratório tente fecundar vários óvulos e criar vários embriões, garantindo maiores chances de que um deles sobreviva e o casal não tenha que refazer todo o procedimento. Os óvulos liberados após o tratamento são coletados e colocados em cultura de nutrientes, logo os espermatozoides são depositados no mesmo recipiente para que ocorra a fecundação.

inseminação artificial

Para que a formação do embrião aconteça, o óvulo fertilizado é colocado em uma estufa que se assemelha a temperatura do organismo humano, onde as divisões celulares começam a ocorrer. Quando a divisão atingir entre 8 e 16 células, o que ocorre em um período de cerca de 72 horas, o embrião é depositado no útero da mãe. Nessa técnica, é um costume implantar mais de um embrião para garantir o sucesso, daí ocorre o nascimento de gêmeos e trigêmeos tão constantes quando se utiliza esse tratamento.

A fertilizaçã in-vitro também é ideal para pessoas que optaram por criogenação dos gametas, seja masculino ou feminino, o congelamento dos gametas é uma forma de preserva-los por até três anos, mas só deve ser considerado em casos graves, converse com seu médico.

Comente!




*Campos obrigatórios

Os artigos desse site contém informações baseadas em pesquisas, estudos, consultas, experiências pessoais e livros. Deve-se sempre consultar um médico antes de tomar qualquer medida.