Gravidez aos 35 Anos

Por que engravidar depois dos 35?

Artigo publicado por Juliane Freitas nas categorias: Dúvidas, Problemas

O Milagre da Gravidez

A mudança na posição que a mulher ocupa na sociedade nas últimas décadas, chamada de Revolução Feminina, influenciou e foi influenciada sobretudo pela decisão delas de ter um filho e quando tê-lo. Os anticoncepcionais foram os métodos contraceptivos que mais evoluíram nos últimos 40 anos, dando à mulher a oportunidade de controlar sua fertilidade e optar por prevalecer estudos e trabalho.

Em paralelo, também houve alteração no modo como vivemos, os países se tornaram mais urbanos e o custo de vida aumentou. Diante desse novo quadro social, ter um filho aos 35 anos não é mais um tabu, muitas vezes é mais cômodo, mas ainda é necessário pensar nos riscos que uma gravidez tardia pode trazer e saber como enfrenta-los, se necessário.

Gravidez aos 35 Anos

Idade Fértil

Até os anos 60 a expectativa de vida era, em geral, baixa. Especialmente em países menos desenvolvidos. Esse fato também era considerado por médicos ao incentivar que a idade ideal para engravidar era entre 18 e 20 anos, assim uma mulher que tivesse um filho aos 25 já era considerada uma gravidez tardia – no caso, para aquelas que tinham o primeiro filho nessa idade, considerava-se primigesta idosa.

Atualmente os médicos já têm pesquisas que comprovam que não há grande alteração na capacidade de gerar um filho sem problemas durante a gestação até os 30 anos. Inclusive, embora antigamente se incentivasse a gravidez aos 18 anos, hoje leva-se em conta que até os 20 anos, em alguns casos, o aparelho reprodutos pode não estar completamente formado.

Após os 30 anos a taxa de fertilidade das mulheres tende a diminuir, mas é preciso consultar um médico para saber como anda a sua capacidade de ter uma gravidez tranquila. Após os 35 anos as mulheres têm menos óvulos. Ainda assim, segundo os médicos as mulheres apresentam uma taxa média de 25% de chances de engravidar a cada ciclo menstrual.

Riscos para a Mulher

  • As mutações cromossômicas apresentam incidência maior entre gestantes mais velhas, há algumas doenças cromossômicas bastante conhecidas, como a Doença de Klinefelter ou a Trissomia X, a de maior ocorrência é, também a mais conhecida entre elas, a Síndrome de Down ou Trissomia do 21.
  • A probabilidade de uma anomalia é baixa, mas ainda assim maior em mulheres com mais de 35 anos. É preciso realizar acompanhamento médico para garantir menos traumas ao feto, se necessário. É possível determinar se o feto terá alterações cromossômicas durante a gestação, com a realização de exames como a medição da área da nuca.
  • A ocorrência de um parto prematuro também é maior em caso de gravidez tardia, o parto prematuro pode ocorrer por diversos motivos, como uma disfunção hormonal.
  • Pode haver o surgimento de placenta prévia, uma má formação na placenta que fecha a entrada do útero, forçando a necessidade de uma cesária.

Cuidados ao Engravidar com Mais de 35 anos

Cuidados com a Gravidez

Uma mulher não deve renegar o desejo de ser mãe apenas porque “passou da idade ideal”, pelo contrário, acredita-se que mães mais velhas apresentam menos chance de terem depressão pós-parto, pois quase sempre são crianças muito desejadas.
Para que uma gravidez ocorra sem problemas é preciso, no entanto, redobrar cuidados em relação a uma gestante jovem. O pré-natal deve ser acompanhado meticulosamente e iniciado antes da gravidez, no caso dela ser programada.

Comente!




*Campos obrigatórios

Os artigos desse site contém informações baseadas em pesquisas, estudos, consultas, experiências pessoais e livros. Deve-se sempre consultar um médico antes de tomar qualquer medida.